Bem-vindo às Aldeias de PortugalVisite as Aldeias de Portugal
Contacte-nosPortuguês
info@aldeiasdeportugal.ptEnglish

VENHA DESCOBRIR A ALDEIA DE Castro Laboreiro

Castro Laboreiro, na freguesia com o mesmo nome do concelho de Melgaço, para além de integrar o Parque Nacional da Peneda-Gerês, o que por si só já é um atractivo turístico, apresenta um tipo próprio de construções castrejas e está na origem de uma raça canina com a mesma designação, conhecida mundialmente: o cão de Castro Laboreiro.

O meio envolvente...

A aldeia possui ainda um milenar e riquíssimo legado histórico, arqueológico e arquitectónico, designadamente os monumentos megalíticos, o Castelo de Castro Laboreiro – classificado como monumento nacional -, as pontes e igrejas medievais, os fornos comunitários, os moinhos, a actividade agro-pastoril e as singulares brandas, inverneiras e lugares fixos, testemunhos, também aqui, da prática da transumância.
As florestas da região são dominadas por carvalhos. Encontram-se também o medronheiro, o azevinho, o azereiro, o pinheiro e o vidoeiro. Os matos arbustivos são característicos de zonas mais elevadas e são constituídos principalmente por tojos, urzes e giestas. As espécies animais com maior representatividade são o javali, o veado, o texugo e a lontra.
Na aldeia, os visitantes podem encontrar alojamento resultante da recuperação de casas típicas castrejas e moinhos.
A oferta gastronómica é variada, com pratos típicos que incluem carne de cabrito, bifes de presunto, enchidos, broa centeia e broa milha. Há ainda dois doces típicos: o bucho doce e a sopa seca de pão duro.
Para uma boa digestão e um contacto mais activo com a natureza, sugere-se o percurso, feito a pé ou em viatura todo-o-terreno, que inclui passagens por Rodeiro, Alto da Portela de Pau, Pedra Mourisca, Alto dos Cepos Alvos, Portos, Varziela e, de novo, Castro Laboreiro.

Descubra as aldeias de Portugal

Reserve já


Como chegar

Aldeia de Portugal

Do aeroporto do Porto: Siga pela A3 em direcção a Braga/Valença e continue cerca de 100km sempre em direcção a Valença. Cerca de 5,5 km após as portagens vire à direita em direcção a Valença e continue pela N202, durante cerca de 40km em direcção a Melgaço. Em Melgaço tome direcção de Castro Laboreiro/Lamas de Mouro e continue cerca de 19 km até à localidade de Lamas de Mouro onde deve seguir pela esquerda em direcção a “Castro Laboreiro”. Continue pela N202-3 durante cerca de 7km até chegar á Vila de Castro Laboreiro.
Coordenadas GPS (centro/Matriz): 42° 1'48.44"N 8° 9'30.76"O

Facilidades & Equipamentos

Facilidades da AldeiaAs Aldeias de Portugal, pelas suas condicionantes geográficas, nem sempre estão providas da totalidade dos equipamentos e facilidades que habitualmente encontramos nos centros urbanos. Para que a sua estada nas Aldeias seja o mais agradável possível, deixamos aqui a lista de facilidades e equipamentos que encontrará na Aldeia e proximidades.

Património Cultural & Natural

Património Cutural e Natural da AldeiaNão há terras que nos digam mais sobre as nossas origens, são muitas as construções e os achados que nos dão conta da presença milenar do Homem. Descubra as formas de viver e de sentir destas gentes, a cultura, as artes, a gastronomia e os ofícios tradicionais ancestralmente praticados e que chegaram até aos nossos dias. Estamos nas Aldeias de Portugal, com a rude beleza da terra e a serena grandeza que só o tempo dá.

História

Conheça as Aldeias de Portugal

O nome de Castro Laboreiro, deriva de «Castrum» - povoação fortificada pelo povo castrejo, fixando-se em outeiros vivendo em comunidade, defendendo-se das tribos invasoras; «Laboreiro» vem da palavra latina «Lepporeiro».
Embora algumas referências documentais permitam sustentar que existiria um castelo anterior, a fortificação actual do Castelo de Castro Laboreiro data da segunda metade do séc. XII e a sua edificação é geralmente atribuída a D. Dinis. A planta revela padrões góticos bem patentes na integração de cubelos e pequenos torreões nos panos da muralha da alcáçova. Arruinado e parcialmente desmontado no séc. XIX, conheceu na segunda metade deste século uma pequena intervenção de limpeza e conservação.
O Pelourinho é um dos pontos fulcrais desta localidade. Este pelourinho é de estilo manuelino e a sua construção deu-se em 1560.
Existe uma mancha megalítica que se encontra dispersa por uma área superior a 50 km2, pontuando a despida vastidão planáltica da parte nordeste da freguesia de Castro Laboreiro, a uma altitude superior a 1100 m. Nesta mancha existem cerca de uma centena de monumentos megalíticos.
São vários os moinhos que se integram nesta localidade. Têm a função de converter os cereais (nomeadamente o centeio e o milho) em farinha. Este produto final iria servir para fazer as bem conhecidas Broas de centeio ou milho. O milho, além de servir para fazer as broas, também era usado para fazer uma outra especialidade da zona, a Sopa de Farinha.
Os fornos comunitários eram utilizados pelos habitantes da localidade com o objectivo de cozer (na maioria dos casos) a massa da broa que tinham acabado de fazer. Eles tinham a preocupação de fazer grandes quantidades de broa para evitar tirar a vez aos restantes habitantes. O material utilizado na sua construção era a pedra, mas ao longo dos anos o seu estado de conservação foi-se degradando. Nos dias de hoje, poucos são os fornos utilizados com esta finalidade.
Em Castro Laboreiro existem 44 aglomerados populacionais, que se dividem em brandas, inverneiras e lugares fixos. As brandas localizam-se nas franjas do planalto situado a norte, entre 1100 e 1150 metros de altitude. Ao longo do curso médio das linhas de água, encontram-se os lugares fixos, entre os 950 e 1050m. Mais abaixo, na base dos vales, em áreas muito irregulares e de difícil acesso, encontram-se as inverneiras, entre 700 e 800m de altitude.
As brandas, nos lugares mais altos, são mais agradáveis e produtivas na época do calor, servindo aos animais também melhores oportunidades de alimentação – é assim uma espécie de casa comum de veraneio da população e gados da freguesia e de visitantes vindos de fora. As inverneiras, nas zonas mais baixas, servem de refúgio ao frio e estão localizadas nos vales da freguesia.
De facto, a ocupação humana de Castro Laboreiro é comprovável até ao longo passado de quatro ou cinco mil anos. Nesta região desenvolveram-se sucessivamente duas grandes culturas que atingiram um grau elevado de civilização: a cultura dolménica e a cultura castreja. Aqui pode encontrar-se ainda hoje, mais de uma centena de antas ou dólmenes (será talvez a maior concentração peninsular de dólmenes pré-históricos); alguns menires; a Cremadoura, a poente da Vila, onde se incineravam os cadáveres para serem recolhidas as cinzas em vasilhames de barro (no Mesolítico); doze castros, de há dois mil e quinhentos anos, pinturas e gravuras rupestres.